Thursday, 14 November 2019 14:02

21º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens

bannersite_Salao2019.jpg

 

SALÃO FNLIJ, DESDE 1999 NO CALENDÁRIO DO RIO DE JANEIRO

 

A 21ª edição do Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens aconteceu de 23 a 31 de outubro na Biblioteca Parque Estadual, no centro da cidade do Rio de Janeiro, perseverando na missão de promover o livro e a leitura da literatura infantil e juvenil como direito cidadão.

A solidariedade e o apoio recebidos de amigas e amigos da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil foram decisivos para o 21º Salão FNLIJ acontecer.

Atendendo ao convite da FNLIJ, 120 profissionais do livro entre escritores, ilustradores e especialistas se apresentaram no evento. A FNLIJ agradece a cada um desses profissionais que garantiram a qualidade da programação organizada em tão pouco tempo.

Com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria Municipal de Educação, da Secretaria do Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, do Itaú Cultural, da presença de 31 editoras que publicam literatura infantil e juvenil e das empresas Arco Arquitetura e Produções, Cintia Pereira Produção & Cultura e Estúdio Versalete, o Salão FNLIJ, mais uma vez, se fez presente na vida de crianças, jovens e adultos da cidade que puderam desfrutar, de forma gratuita, durante oito dias, de um ambiente em que a  leitura e o livro foram destaques nos espaços organizados pela FNLIJ na Biblioteca Parque: a Biblioteca FNLIJ Criança/Jovem, a Biblioteca para Bebês, o Espaço FNLIJ de Leitura, todos com livros selecionados pela Fundação, além do Espaço FNLIJ do Ilustrador.

 

Encontro de crianças e jovens com livros e autores

Professores e famílias levaram seus alunos, filhos, sobrinhos e netos para partilharem o encontro com o livro e a leitura no local próprio para tal: a Biblioteca Pública!

A garotada participou da programação que reuniu o total de 77 autores, com 21 lançamentos de novos livros, 47 encontros com autores. Dentre os escritores e ilustradores presentes são destaques Ana Maria Machado, André Neves, Bia Bedran, Ciça Fittipaldi, Daniel Munduruku, Karen Acioly, Luciana Sandroni, Lucia Hiratsuka, Marina Colasanti, Miriam Leitão, Nelson Cruz e Rui de Oliveira.

A atividade de leitura dos livros premiados pela FNLIJ somou 62 leituras realizadas por leitoras da FNLIJ, professoras e bibliotecárias que têm essa prática em escolas e bibliotecas.

A destacar que as leituras dos livros no Salão FNLIJ não são dramatizadas e tampouco são utilizados suportes como fantasias, adereços e música. O formato é o da leitura tradicional, feita por um leitor de literatura que usa somente a própria voz para partilhá-la com o público.

Dezenove ilustradores se apresentaram no Espaço do Ilustrador, que também recebeu a escritora Marina Colasanti para uma conversa conduzida pelo professor e escritor Ricardo Benevides, encantando seus leitores.

Assim, ao longo do evento, aconteceram 149 atividades com livros nos espaços citados.

Os bebês foram recebidos no belo e acolhedor espaço da Biblioteca Parque, criado para eles. Acolhidos com carinho pela equipe da FNLIJ que, mostrando os livros com imagens e de vários tamanhos e formatos, conversava com os bebês atraindo-os para esse especial convívio com as histórias.

A Secretaria Municipal de Educação promoveu a presença de 4.392 alunos, de 157 escolas, que chegaram, em ônibus, à Biblioteca Parque, na histórica Avenida Presidente Vargas, recebidos pela equipe dedicada e alegre da visitação escolar da FNLIJ.  

Confirmando a importância dos livros de literatura para a formação de seus alunos e professores, a Secretaria Municipal de Educação do Rio, pelo 19º ano consecutivo, disponibilizou recursos para que professores das suas 1557 Unidades Escolares do Ensino Fundamental, EDI, Creches Municipais e Bibliotecas Escolares atualizassem seus acervos comprando livros no Salão, resultado de uma política pública municipal existente por quase duas décadas e que merece ser divulgada e valorizada.

O Salão também recebeu 368 alunos de outras escolas e ONG’ s, muitas delas frequentadoras habituais do evento, assim como famílias e visitantes.

Além da variedade dos livros de literatura que podiam ser apreciados e comprados nos estandes das editoras, passeando pelos corredores da Biblioteca Parque, os visitantes se informavam sobre livros e seus autores nos inúmeros painéis e banners produzidos pela FNLIJ para exposições apresentadas em Salões anteriores e afixados nas paredes.

O maior painel apresentou as capas dos 15 livros que receberam o Prêmio FNLIJ 2019 e foi destaque entre professores, estudantes e pais que anotavam os títulos vencedores e tiravam fotos registrando a passagem pelo Salão.

Seis novos banners também foram produzidos e colocados em locais de destaque. Apresentavam as novas edições dos livros de Monteiro Lobato; a importância da ilustradora Regina Yolanda Werneck falecida este ano; Marina Colasanti e Ciça Fittipaldi candidatas da FNLIJ ao Prêmio Hans Christian Andersen/IBBY de 2020; Ana Maria Machado comemorando 50 anos escrevendo para crianças e jovens e o livro FLICTS, de Ziraldo, que completa 50 anos. Os banners atraíram a atenção do público que parava para ler, ver, anotar e fotografar.

Desde a 3ªedição mantendo a tradição de que todas as crianças e jovens saiam do Salão com um livro de presente, a FNLIJ se sente orgulhosa por ter doado 5.500 livros.

Programação para o público adulto

O auditório Darcy Ribeiro, da Biblioteca Parque esteve ocupado todos os dias do evento com público adulto interessado em ouvir opiniões, conhecer estudos e participar de conversas sobre literatura infantil e juvenil, leitura e biblioteca.

No primeiro dia, dedicado aos professores, estiveram presentes 100 professores quando tiveram a oportunidade de ouvir duas palestras e participar de visitas guiadas pelos estandes para conhecer as editoras e sua produção.

No final da tarde, a abertura oficial do evento reuniu autores, editores, amigos, parceiros e colaboradores da FNLIJ. A cerimônia foi conduzida pela secretária-geral da FNLIJ, Elizabeth Serra, que convidou, para fazer parte da mesa, as seguintes pessoas e autoridades: Amir Piedade, do Conselho Fiscal da FNLIJ representando o Presidente da FNLIJ Wander Soares; Ana Maria Machado, vencedora do Prêmio HCA/IBBY 2000 e membro da Academia Brasileira de Letras; Daniel Munduruku, Presidente do Instituto UKA; Laura Sandroni, Presidente Emérita da FNLIJ; Pedro Gerolimich, Superintendente de Leitura e Conhecimento do Governo do Estado; Rejane Pereira Faria da Costa, Subsecretária de Ensino da Secretaria Municipal de Educação; Rodrigo de Castro, Subsecretário de Eventos da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa; Rosana Rios, Presidente da Associação de Escritores e Ilustradores de LIJ e Vanessa Espinola, do Instituto Ecofuturo.  

Depois das boas-vindas de Amir Piedade e da saudação dos membros da mesa, a secretária-geral agradeceu a cada apoiador do evento e aos que se uniram para que o 21º Salão FNLIJ acontecesse. Também agradeceu à Fundação Biblioteca Nacional, aos mantenedores e conselheiros da FNLIJ e aos leitores votantes da Seleção Anual da FNLIJ que oferecem sustentação  ao trabalho da instituição.

Seguiu-se o momento da saudade em que foram lembrados os que se foram neste ano de 2019: os escritores João Carlos Marinho e Jorge Miguel Marinho e o editor José Alencar Mayrink, além de Regina Yolanda Werneck, professora e ilustradora, que foi membro do conselho da FNLIJ nos anos 1970 e 1980 quando atuou de forma relevante para a valorização da ilustração dos livros para criança no país.

Com “Heloisa, presente!” a produtora Heloisa Alves, criadora da empresa Arco Arquitetura e Produções, organizadora dos primeiros e os últimos Salões, foi também lembrada.  Heloisa adoeceu e faleceu em meio à produção do 21º Salão  FNLIJ, deixando um vazio insubstituível. Seu entusiasmo pela FNLIJ e pelo Salão foi decisivo para realização do evento em meio a um cenário de dificuldades e muitas incertezas.

Comemorando os 50 anos de Ana Maria Machado dedicados a escrever para crianças e jovens, coube à Laura Sandroni entregar uma pequena homenagem da FNLIJ à autora em nome de seus leitores de hoje e de ontem, que leem para seus filhos, netos, sobrinhos e alunos, agradecemos por seu cuidado com as palavras – riqueza da língua -, respeito ao leitor, generosidade e afeto dedicados a criar arte escrevendo histórias que formam os leitores do futuro!

Após a homenagem, teve início a entrega dos certificados dos Prêmios FNLIJ 2019/Produção de 2018 aos autores e editoras presentes. Os certificados foram entregues aos vencedores pelos participantes da mesa e celebrados pelas palmas e entusiasmo do público.

A cerimônia se encerrou com o convite para confraternização na cafeteria da Biblioteca Parque, oferecida pelo restaurante Canto D’Alice, responsável pela praça de alimentação durante todo o evento.

Programação para professores, estudantes e famílias

Na sua missão de contribuir para formar leitores, a FNLIJ preparou, para o público adulto, uma extensa programação sobre livros, literatura, leitura e biblioteca organizadas em duas atividades centrais consideradas, por professores, bibliotecários e também editores, como parte das suas formações pela qualidade dos temas e dos palestrantes.

Tratam-se do Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós e dos Encontros Paralelos. Todas as palestras das duas programações foram transmitidas ao vivo na página do Facebook do Salão FNLIJ, por meio de 37 vídeos que alcançaram mais de seis mil visualizações, possibilitando a participação dos internautas.

Para os dois eventos, a FNLIJ sempre seleciona uma citação do autor Bartolomeu Queirós, que nomeia o seminário, como inspiração para as reflexões dos participantes.  Este ano a citação escolhida foi “… Depois, cheguei a uma conclusão: Quem sabe as coisas faz livro didático e quem não sabe faz literatura. Se você tem uma coisa a afirmar, você não tem que fazer literatura. Literatura é uma conversa sobre as dúvidas. É uma conversa sobre as delicadezas, sobre as faltas. Não é uma conversa crua como desejam as ciências exatas. A literatura é mais delicada. Ela trabalha com a dúvida, com as incertezas, com as inseguranças, com as faltas, que são coisas que nos unem.”
Bartolomeu Campos de Queirós (professor e escritor 1944 – 2012)

O tema geral do 21º Seminário FNLIJ-BCQ foi “A presença/ausência da LIJ na formação dos professores”.

Além dos apoios citados para o Salão, o seminário contou também com a parceria da livraria infantil e juvenil Casa da Fábula, recém-inaugurada em Itaipava, Petrópolis. O Seminário FNLIJ-BCQ teve como destaque a presença da bibliotecária colombiana Silvia Castrillón, que veio de seu país especialmente para prestigiar a FNLIJ. O presidente da Academia Brasileira de Letras, Marco Lucchesi foi também destaque participando da mesa de abertura do 16º Encontro dos Escritores Indígenas, que faz parte do seminário.

As áreas de Educação e de Letras das universidades públicas UFRJ/ UERJ e UFF do Rio e a UFOPA, do Oeste do Pará e da UFMG, de Minas Gerais apresentaram suas análises e pesquisas sobre o tema do seminário. Além da participação das universidades, experiências da sociedade civil foram apresentadas numa demonstração de persistência e determinação em levar a literatura à população em espaços variados.

O Encontro de Escritores Indígenas, elegeu o tema “ Faz escuro, mas eu canto: a literatura Indígena como esperança “, organizado em parceria com o Instituto UKA, sob a coordenação de Daniel Munduruku,  comemorou  sua 16ª edição contando com  a presenças de Marcos Terena e José Bessa entre outros convidados da comunidade indígena e, na abertura, com a participação do presidente da Academia Brasileira de Letras, Marco Lucchesi, como já citado. A procura pelos livros de literatura escritos pelos indígenas e o interesse pelo encontro com seus autores, atrai o público de professores e jovens, aumentando a cada ano.

O Prêmio FNLIJ 2019 foi tema de duas mesas contando com a presença de alguns dos seus votantes. Fabíola Farias, de Belo Horizonte/MG, Luiz Percival Leme Britto, de Santarém/PA. Do Rio, participaram Margareth Mattos e Maria Teresa Gonçalves, Ana Crélia Dias, Vanessa Camasmie, Patrícia Corsino e Leonor Werneck quando apresentaram os títulos vencedores justificando as premiações.

A Biblioteca da Escola foi o tema da última mesa do seminário e da conferência proferida pela bibliotecária Silvia Castrillón, da Colômbia. A palestra de encerramento “O que ensinam as leituras de ódio e intransigência?” foi apresentada pelo professor Luis Percival Britto.

Durante o seminário também aconteceram as entregas dos certificados aos vencedores dos  quatro Concursos FNLIJ:  Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil, o Leia Comigo! , Curumim – Leitura de Obras de Escritores Indígenas e Tamoios – Textos de Escritores Indígenas, os dois últimos em parceria com o Instituto UKA. Os projetos vencedores são dos estados do Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina São Paulo e Distrito Federal. Para FNLIJ, é sempre uma emoção acolher os premiados que muitas vezes vêm de outros estados para receber seus certificados e participar do Salão, custeando suas viagens, já que os concursos não têm nenhum apoio ou patrocínio. 

Nos Encontros Paralelos também aconteceram mesas em torno dos títulos vencedores do Prêmio FNLIJ 2019, com a presença de autores e editores. A obra de outros autores premiados pela FNLIJ como Ligia Bojunga, Sylvia Orthof, Bartolomeu Campos de Queirós e Ziraldo foram temas dos Encontros apresentadas por especialistas.  Rui de Oliveira esteve presente falando sobre ilustrar contos de fadas e histórias clássicas. Ciça Fittipaldi falou sobre sua experiência entre os indígenas e a presença deles na sua obra. Luciana Sandroni comemorou os 30 anos do livro “Ludi”.

Entre os temas apresentados nos encontros, estavam “Livros proibidos e temas impróprios: Que literatura é essa?”; “Literatura Infantil e Representatividade Negra”; “As aldeias que me habitam”; “Preconceito em foco”; “E a obra do Lobato caiu em domínio público: vamos conversar?”; “Literatura é comunicação: os necessários temas polêmicos”.

A parte da manhã do domingo foi reservada para a Associação de Escritores e Ilustradores de LIJ/AEILIJ que comemora 20 anos e apresentou a palestra “Caça às bruxas: Por que os seres fantásticos e maravilhosos estão sendo tão perseguidos?”

Na parte da tarde, o Encontro Paralelo recebeu a autora Ana Maria Machado para falar de sua obra, com mediação do escritor Luis Raul Machado que, como seu leitor, conduziu a conversa de maneira especial fazendo uma retrospectiva da trajetória da autora. O encontro foi marcado pela emoção e pela generosidade de Ana Maria atendendo o roteiro afetivo do mediador e respondendo as perguntas do público presente.  A tarde se encerrou com uma longa fila de seus leitores que a aguardavam para os autógrafos. Em outro dia, a autora participou de uma mesa sobre traduções de clássicos partilhando com seu filho Rodrigo Machado, que também é tradutor premiado pela FNLIJ e que vencedor de um Prêmio Jabuti.

O Instituto Estação da Letras apresentou a mesa “A Criação literária na formação de professores” e o Instituto Pró- Saber apresentou a mesa “Leitura literária na formação de professores”

A Secretaria Municipal do Rio de Janeiro organizou a mesa  “Nas Veredas do gênero Microconto: experiências em contexto Digital” e com a Multirio “ A arte dos contos”.

A Secretaria Estadual de Cultura organizou a mesa “Relatos de Experiência de Promoção da Leitura”.

A FNLIJ convidou o roteirista e diretor de cinema Paulo Halm, um dos autores da novela Bom Sucesso, da TV Globo, em que a leitura de textos de clássicos de literatura é destaque, estabelecendo uma ponte com as situações vividas pelos personagens da novela, despertando o interesse do público pela leitura desses livros, objetivo dos autores da novela. Uma professora na plateia relatou um episódio ocorrido com seus alunos que comprovam o acerto da proposta. O Encontro contou com a mediação competente da professora Simone Monteiro da Multirio / SME-RJ.

Valeu!

A FNLIJ considera uma vitória a realização de mais um Salão que, como dito, só foi possível pelas presenças de várias mentes e mãos que se uniram em torno do objetivo comum: contribuir para a formação leitora de crianças e jovens aproximando-os dos livros de literatura.

Oferecer um ambiente acolhedor em que as novas gerações possam ver e manusear a variedade dos livros produzidos, para eles, no país, conhecer e conversar com escritores e ilustradores, ouvir a leitura de trechos de livros, é contribuir para cultivar o que é semeado por professores e famílias unindo assim adultos e crianças em torno da literatura, básica para uma educação de qualidade.

Os sorrisos das crianças, a alegria dos jovens e o entusiasmo de professores e pais, o incentivo de autores e editores, todos expressando o desejo de querer mais, renovam os esforços da FNLIJ para realizar o seu Salão.

O 21º Salão FNLIJ não pôde contar com uma assessoria de imprensa e, consequentemente, não esteve presente nos jornais e na televisão, como em anos anteriores. Além da divulgação nos sites das Secretarias de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio e de Educação do Município, do Instituto Itaú Cultural, do blog Estante de Letrinhas, do Estadão, todos com link para o site do Salão www.salaofnlij2019.wordpress.org.br  e noticiado pelo portal PublishNews, a divulgação do evento ocorreu pelo Facebook, Instagram e site gratuito do Salão, administrada somente pela equipe da FNLIJ.

Diante da ausência do evento nos meios tradicionais de comunicação, a presença de um público que elegeu ir ao Salão FNLIJ confirma que a leitura literária está presente nas escolas e nas famílias da nossa cidade  demonstrando interesse por eventos de literatura para os pequenos. Basta que as oportunidades para isso lhes sejam oferecidas.

A FNLIJ agradece ao público que prestigiou o evento com a sua presença!

Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil