Melhores programas de incentivo à leitura

Concurso FNLIJ Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil

A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ criou, em 1994, o Concurso FNLIJ - Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens com o objetivo de valorizar o empenho de pessoas e entidades engajadas em iniciativas de promoção da leitura, divulgar suas ações, facilitar a troca de informação entre os que se dedicam a essa área, a fim de construir uma rede que fortaleça e enriqueça o trabalho de todos, bem como possibilitar o estudo e o aperfeiçoamento dessas ações. É o concurso pioneiro no gênero que possibilita a formação de um importante banco de dados sobre os programas de promoção da leitura no país e que, portanto, pode subsidiar pesquisas e políticas de leitura.

Como seção brasileira do International Booard on Books for Young People/IBBY, a FNLIJ inspirou-se no prêmio internacional da instituição, o IBBY – Asahi Reading Promotion Award, para programas de leitura, concedido desde 1987. Este prêmio é uma parceria entre o International Board on Books for Young People – IBBY e o jornal Asahi Shimbun, de Tóquio, Japão, que visa premiar instituições que desenvolvam programas de promoção da leitura para crianças e jovens originais e consistentes, escolhidos por um júri internacional indicado pelas seções do IBBY. O jornal Asahi expressa, assim, há 18 anos, sua dimensão empresarial generosa e comprometida com a formação de jovens leitores, em qualquer parte do planeta, integrando-se à rede do IBBY em todo o mundo. O prêmio de aproximadamente 10 mil dólares é entregue ao vencedor no Congresso do IBBY, sediado num país membro da instituição, a cada dois anos.

Em 1994, a FNLIJ conseguiu promover o 1º Concurso FNLIJ - Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens, o primeiro no gênero do país, representando uma tentativa solitária, sem divulgação pela imprensa. Somente a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro apoiou, timidamente, a iniciativa. Cartazes foram impressos e enviados por meio de comunicação interna da SEE/RJ às escolas do estado.

Apesar das dificuldades, o concurso revelou o que a FNLIJ acreditava: apresentou como vencedor uma experiência de sucesso realizada pela Universidade Federal Fluminense. Numa ação pioneira, o projeto levava às cidades do estado do Rio de Janeiro a semente da leitura para professores de escolas públicas. O Programa de Alfabetização – PROALE, Universidade Federal Fluminense, inaugurava uma ação coordenada de promoção da leitura até as salas de aula, com uma proposta de estudo e planejamento participativo. Infelizmente, o concurso não teve continuidade em 1995.

Em 1996, Eduardo Portella, conhecedor e antigo parceiro da FNLIJ, ao assumir a Presidência da Fundação Biblioteca Nacional, convidou Elizabeth Serra, Secretária Geral da FNLIJ, para integrar a Comissão Coordenadora do Programa Nacional de Incentivo à Leitura – o PROLER. Assim, a primeira contribuição levada pela FNLIJ ao PROLER foi o Concurso, que imediatamente ganhou a adesão e o apoio do presidente da instituição, como de toda a Comissão Coordenadora. O projeto pôde crescer e se multiplicar, conforme o imaginado pela FNLIJ desde o início, ganhando força e conteúdo com a participação de companheiros da Comissão Coordenadora do PROLER.

Em 1997, a FNLIJ realizou o 2º Concurso, incorporando, ao título, a sigla do Programa Nacional de Incentivo à Leitura - PROLER, e viabilizando a ampliação da divulgação para todo o território brasileiro. O PROLER produziu folhetos, cartazes e assumiu a postagem dos mesmos, trazendo também a participação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação/FNDE do Ministério da Educação/MEC que apoiou sua divulgação para toda a rede de escolas públicas, por intermédio de suas publicações e sistema de comunicação.

Outra conquista com a parceria do PROLER foi trazer ao Rio de Janeiro os vencedores, entrevistá-los e torná-los conhecidos por meio da mídia. O Ministro da Cultura, por meio da Secretaria do Livro e da Leitura, coordenada por Ottaviano de Fiore, uniu-se ao projeto, em 1999, o que possibilitou proceder a um levantamento quantitativo dos concursos realizados até esta data.

O PROLER foi um importante parceiro da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil de 1997 a 2002. O apoio do governo federal transformou Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil num concurso de âmbito nacional, contribuindo para fortalecer a rede em prol da formação de uma sociedade leitora, como a FNLIJ gostaria que fosse desde sua criação, mas, sozinha, não tinha condições para realizá-lo. Como órgão governamental, a associação do PROLER permitiu também o reconhecimento da importância da iniciativa da FNLIJ.

Em 2003, apesar de não ter sido possível continuar contando com a participação do PROLER, a FNLIJ deu continuidade ao Concurso, certa da necessidade de investir nas conquistas alcançadas. Isso aconteceu em 2005, com a parceria da Petrobras, que passou a oferecer um prêmio em valor financeiro, a partir do 10º Concurso.

Em breve regulamento do 23º Concurso.